13 de outubro de 2012

O Luto e as Tintas


O que foi dito, foi dito e ponto final.
O que foi feito, está feito e não tem jeito.
O que passou, passou e não volta mais.
Tudo tão simples não é?
Não! Não é.

Para quem vive uma situação de arrependimento,
para quem está passando por uma dor profunda
causada por uma perda, nada é simples, nada é claro.

Por isso, quando quiser ajudar,
ou sair de uma fase assim, viva o seu luto.
Ou seja, chore, arranque os cabelos, xingue,
grite, proteste, fique sem comer, desabafe,
mas faça tudo com emoção verdadeira, com
lágrimas de sangue, sem dó de ninguém, nem de você.

O único cuidado que você deverá tomar é com o tempo.
O seu luto não deve passar de 7 dias.
Não estou falando de esquecimento.
Certas pessoas e fatos não devemos esquecer.
Estou falando da intensidade da dor.

Eu te garanto que tem gente de luto a mais de 10 anos.
Tem gente que já nasceu de luto.
Tem gente que você olha para a cara e vê o luto.
Outras que só se aproximam para deixar você de luto.

Não se prenda ao passado que não volta!
No arrependimento que não conserta,
na esperança vazia do que não vai acontecer.

Pegue a sua malinha de dores e jogue no rio
(com uma pedra pesada dentro).
O que resta para nós todos os dias,
é apenas o dia de hoje.

Pegue o seu dia e construa o seu futuro agora.
Ele vai ter a cor, o sabor e as alegrias
que você desejar já.

Qual será a cor da sua vida amanhã?
É só olhar para as cores que você está pintando hoje.
Espero que seja com aquarela amarela,
cheia de cores lindas.
Porque cinza já basta a minha meia antiga...
Viva o seu dia! Viva você!

Autor: Paulo Roberto Gaefke
www.meuanjo.com.br


Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

2 comentários:

Barbie Californiana disse...

Adorei a reflexão, amiguinha e de fato, quando algo nos chateia, devemos colocar para fora, pois guardar uma dor prejudica até a saúde do mesmo modo que sentí-la por muito tempo... o bom é como diz a reflexão, colocar para fora e depois bola pra frente pra ser feliz. beijos e lindo feriado.l

Expedito Gonçalves Dias disse...

Suely, bonita reflexão. Na verdade à flecha atirada resta saber que alvo irá atingir. O tempo presente é que vale!
Abraços!